Com a chegada da COVID-19 e, consequentemente, das medidas de distanciamento social, muitos praticantes de diversas modalidades esportivas se viram impossibilitados de seguir seus treinos regulares. As limitadas informações de fontes seguras sobre o desenvolvimento de treinamento físico e os seus efeitos no momento de pandemia foram as principais razões para esse impasse. Mas a boa notícia é que as atividades físicas não devem ser eliminadas da rotina da população, como afirmam alguns pesquisadores como Peijie Chen e colaboradores, da Shanghai University of Sport, da China. No entanto, precisamos nos atentar para a quantidade e a intensidade dos treinos!

O exercício excessivo pode gerar, por exemplo, um aumento da incidência de infecção do trato respiratório – gripe, faringite, sinusite e outras -, como publicado na Sports Medicine, em abril de 2003. Isso pode estar relacionado a uma diminuição da imunidade, o que, de fato, devemos evitar neste momento da pandemia. Por outro lado, um artigo publicado na Revista Brasileira de Medicina do Esporte, de julho/agosto de 2002, aponta que após a prática de exercícios moderados há um aumento de células imunes circulando pelo corpo. Isso significa que essas células estão preparadas e prontas para procurar e destruir patógenos, ou seja, elementos invasores como vírus e bactérias. Por isso, a dica é seguir as sugestões dos estudiosos da fisiologia do exercício, que são:

  • Praticar regularmente exercícios físicos moderados em local seguro;
  • Evitar exercícios longos e intensos;
  • Aumentar a intensidade gradativamente.

Mas não se esqueçam de redobrar os cuidados com a higiene das mãos, das roupas e dos equipamentos utilizados. Da mesma forma, tenham como regra obrigatória investir na alimentação equilibrada! A escolha de alimentos saudáveis é um importante aliado no alcance dos benefícios das práticas esportivas e, principalmente, para o fortalecimento do sistema imunológico.

Além disso, neste momento devemos ter a máxima atenção com o nosso bem-estar e com o do próximo. Estudo preliminar divulgado pela Universidade Católica de Leuven, na Bélgica, e pela Universidade de Tecnologia de Eindhoven, na Holanda, já indica que deixamos rastros das nossas gotículas de saliva enquanto praticamos exercícios físicos. Então, procurem se exercitar em locais afastados e bem arejados e mantenham a distância!

Autores:
Sidney S. Arruda
Especialista em Teoria e Metodologia do Treinamento Desportivo (UFAM).
Thaiane O. Arruda
Mestra em Psicossociologia de Comunidades e Ecologia Social (EICOS/UFRJ). Pesquisadora do Grupo de Pesquisa Governança, Ambiente, Políticas Públicas, Inclusão e Sustentabilidade (GAPIS/CNPq).

Referências:
Chen, Peijie; Mao, Lijuan; Nassis, George; Harmer, Peter; Ainsworth, Barbara; Li, Fuzhong. Coronavirus disease (COVID-19) The need to maintain regular physical activity while taking precautions. Journal of Sport and Health Science, 9, 2020.

Rosa, LFPB Costa; Vaisberg, M W. Influências do exercício na resposta imune. Revista Brasileira de Medicina do Esporte, 8. Nº 4 – Jul/Ago, 2002.

Smith, LL. Overtraining, exercício excessivo e imunidade alterada. Sports Med, 33, 347-364, 2003.

Blocken, B. et al. Towards aerodynamically equivalent COVID19 1.5 m social distancing for walking and running, Universidade Católica de Leuven, na Bélgica, e pela Universidade de Tecnologia de Eindhoven, na Holanda, 2020.

Sidney Arruda

Por Sidney Arruda

- Especialista em Teoria e Metodologia do Treinamento Desportivo pela Universidade Federal do Amazonas. - Bacharel em Educação Física pela Universidade Paulista. - Licenciado em Educação Física pela Universidade Luterana do Brasil. - Treinador de Triathlon Nível 1 pela Confederação Brasileira de Triathlon. - Treinador de Triathlon Nível 2 pela Confederação Brasileira de Triathlon. - Fundador e treinador da equipe SA Sports Consultoria Esportiva.

16 Respostas para “Exercício físico no momento da COVID-19”

  1. Parabéns Coach.
    Esse artigo é de dundamental importância para o esclarecimento sobre a melhoria e fortalecimentos sistemas físico e imunológico.

    Resposta
  2. Parabens prof. Sidney, artigo excelente para o momento em que estamos vivenciando, confesso que eu tb penso dessa forma que vc escreveu em seu artigo, tanto é que nao parei com meus treinos, apenas meu treinador Mario Marques diminuiu a intensidade.

    Resposta
    1. Perfeito, Silvia. Por isso é importante estar acompanhada de um profissional capacitado. Valeu!!

      Resposta
  3. Grande irmão, excelente matéria. Já compartilhei pois e de grande valia para todos que querem se manter ativos nessa pandemia. Parabéns a vc e sua filha.
    Abs

    Resposta
  4. Muito bom o assaunto! Antes da pandemia eu vinha de treinos diários e intenso, sentia muita fadiga muscular e cada momento respirava profundo e soltava como forma de relaxamento.
    Isso veio até pra eu relaxa e recomeça.

    Resposta
    1. Obrigado, Bosco!
      O treino intenso é uma exigência para quebra de platô e melhora de performance, mas isso tem preço que no momento de pandemia não compensa.

      Resposta
  5. Nobre professor Sidney, parabéns pelo belo artigo. Certamente será muito útil como fonte de informação para os tempos atuais.
    Eu tinha muitas dúvidas sobre a prática de atividades físicas nesse momento. Seu artigo trouxe luz a escuridão da minha ignorância.

    Resposta

Deixe uma resposta