Exercício físico no momento da COVID-19

Com a chegada da COVID-19 e, consequentemente, das medidas de distanciamento social, muitos praticantes de diversas modalidades esportivas se viram impossibilitados de seguir seus treinos regulares. As limitadas informações de fontes seguras sobre o desenvolvimento de treinamento físico e os seus efeitos no momento de pandemia foram as principais razões para esse impasse. Mas a boa notícia é que as atividades físicas não devem ser eliminadas da rotina da população, como afirmam alguns pesquisadores como Peijie Chen e colaboradores, da Shanghai University of Sport, da China. No entanto, precisamos nos atentar para a quantidade e a intensidade dos treinos!

O exercício excessivo pode gerar, por exemplo, um aumento da incidência de infecção do trato respiratório – gripe, faringite, sinusite e outras -, como publicado na Sports Medicine, em abril de 2003. Isso pode estar relacionado a uma diminuição da imunidade, o que, de fato, devemos evitar neste momento da pandemia. Por outro lado, um artigo publicado na Revista Brasileira de Medicina do Esporte, de julho/agosto de 2002, aponta que após a prática de exercícios moderados há um aumento de células imunes circulando pelo corpo. Isso significa que essas células estão preparadas e prontas para procurar e destruir patógenos, ou seja, elementos invasores como vírus e bactérias. Por isso, a dica é seguir as sugestões dos estudiosos da fisiologia do exercício, que são:

  • Praticar regularmente exercícios físicos moderados em local seguro;
  • Evitar exercícios longos e intensos;
  • Aumentar a intensidade gradativamente.

Mas não se esqueçam de redobrar os cuidados com a higiene das mãos, das roupas e dos equipamentos utilizados. Da mesma forma, tenham como regra obrigatória investir na alimentação equilibrada! A escolha de alimentos saudáveis é um importante aliado no alcance dos benefícios das práticas esportivas e, principalmente, para o fortalecimento do sistema imunológico.

Além disso, neste momento devemos ter a máxima atenção com o nosso bem-estar e com o do próximo. Estudo preliminar divulgado pela Universidade Católica de Leuven, na Bélgica, e pela Universidade de Tecnologia de Eindhoven, na Holanda, já indica que deixamos rastros das nossas gotículas de saliva enquanto praticamos exercícios físicos. Então, procurem se exercitar em locais afastados e bem arejados e mantenham a distância!

Autores:
Sidney S. Arruda
Especialista em Teoria e Metodologia do Treinamento Desportivo (UFAM).
Thaiane O. Arruda
Mestra em Psicossociologia de Comunidades e Ecologia Social (EICOS/UFRJ). Pesquisadora do Grupo de Pesquisa Governança, Ambiente, Políticas Públicas, Inclusão e Sustentabilidade (GAPIS/CNPq).

Referências:
Chen, Peijie; Mao, Lijuan; Nassis, George; Harmer, Peter; Ainsworth, Barbara; Li, Fuzhong. Coronavirus disease (COVID-19) The need to maintain regular physical activity while taking precautions. Journal of Sport and Health Science, 9, 2020.

Rosa, LFPB Costa; Vaisberg, M W. Influências do exercício na resposta imune. Revista Brasileira de Medicina do Esporte, 8. Nº 4 – Jul/Ago, 2002.

Smith, LL. Overtraining, exercício excessivo e imunidade alterada. Sports Med, 33, 347-364, 2003.

Blocken, B. et al. Towards aerodynamically equivalent COVID19 1.5 m social distancing for walking and running, Universidade Católica de Leuven, na Bélgica, e pela Universidade de Tecnologia de Eindhoven, na Holanda, 2020.

Sidney Arruda
Últimos posts por Sidney Arruda (exibir todos)